domingo, 20 de dezembro de 2009

Ora explique lá Senhor Doutor





O governo para fazer face à escassez crónica de médicos no nosso país, resolveu abrir mais uma escola de medicina. O senhor bastonário da Ordem dos Médicos veio a terreiro defender que de acordo com dados internacionais um país moderno deve ter uma faculdade de medicina para cada dois milhões e meio de habitantes. Portanto para nós serão suficientes cinco.
Ao que parece com a última a ser inaugurada ficamos com oito o que daqui a dez anos segundo o mesmo bastonário poderá levar a que os médicos saiam das faculdades e não tenham emprego.
Depois, na sequência deste comentário do Dr. Pedro Nunes, no dia 20, os telejornais transmitiram o juramento de novos médicos, cerimónia organizada pela secção do Norte da Ordem dos Médicos.
400 vejam bem, 400 novos médicos prestaram juramento na secção da Ordem dos Médicos no Porto.
Contudo quando questionada se depois de fazer a sua especialidade aceitaria trabalhar no interior, uma das novas clínicas logo foi dizendo que a sua especialidade tinha lugar no porto e depois de ter a vida organizada no porto era difícil ir para outro lugar.
A seguir o Sr. bastonário vem em defesa da sua confrade dizer que na periferia das grandes cidades também existe falta de médicos.
Fazendo um pouco de história, chegamos a 1974 pelo menos com quatro faculdades: duas em Lisboa, uma em Coimbra e outra no Porto. Em 74 surgiu mais uma no Porto e em 99 em Braga.
Depois temos de considerar as privadas que foram surgindo e também o número enorme de portugueses que foram fazer a sua formação a Espanha e outros países europeus e mesmo assim, conforme o senhor diz, não existem médicos de família suficientes na periferia das grandes cidades?
Bom ! então explique lá ó "sotôr": afinal as faculdades são suficientes ou não? Ou será que estamos perante um problema de falta de produtividade?
Talvez o tempo seja pouco, as aulas na faculdade, os doentes no hospital e também no consultório privado e claro todos aqueles congressos...
Pois é os socialistas não foram na vossa conversa do ensino de qualidade que durante anos impediu o investimento em novos estabelecimentos de ensino da medicina e privou as populações do interior de assistência médica condigna, fez quase desaparecer os médicos de família deixando os que ficaram com centenas de utentes que quando estão doentes se vêem aflitos para marcar uma consulta e depois, porque não conseguem, acabam por entupir as urgências dos hospitais, levando ao desespero os já poucos médicos que as vão assegurando.
Quanto a não encontrar emprego depois de fazer a faculdade caro Sr. bastonário, esse é o dia a dia da esmagadora maioria dos licenciados deste país, porque deveriam os médicos ser diferentes?
E depois daqui a dez anos também haverão hipóteses no Reino Unido que é para onde estão a ir os médicos formados pelas nossas universidades, para cá entretanto vêm os peruanos e cubanos, cuja formação não levanta problemas à nossa Ordem dos Médicos.
Respeito muito os profissionais de saúde mas não podia ficar indiferente a esta conspiração classicista nada conforme com o juramento de Hipócrates.

Saudações

O Viajante

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Nós por cá nem todos bem


A noite passada o desastre abateu-se mais uma vez sobre os Açores. Na freguesia de Agualva no norte da ilha Terceira, depois de horas ininterruptas de chuva intensa, a ribeira que a atravessa, saiu do leito e transformou as ruas da localidade em torrentes de lama que arrastaram tudo à sua passagem. Os carros os recheios das casas tudo correu rua abaixo deixando duas habitações completamente destruídas e outras quarenta inabitaveis. Felizmente nenhuma vida se perdeu, apenas uma idosa permanece no hospital de Angra do Heroismo. Ela e o seu marido foram salvos quase no último momento pelos vizinhos e bombeiros que acorreram ao local.

Pelo menos cem pessoas ficaram desalojadas e como por aqui sempre acontece, apesar das casas postas à disposição pelo governo, todos optaram pelas portas que familiares e amigos de imediato lhes abriram sobretudo numa época tão especial como a que atravessamos.

Agora chove copiosamente , mais uma noite de alerta para muita gente. Que o Céu nos proteja e as ribeiras fiquem nos seus leitos

Saudações

O Viajante

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

A importância do cu

Como já sabem todos os que passam por aqui eu acredito na reencarnação. Acho que setenta ou oitenta anos é pouco tempo para nos definirmos para a eternidade. Seria uma injustiça sermos condenados ou glorificados para todo o sempre, apenas por uma vida.

Acredito também que algumas pessoas que nos tratam mal, que consideramos inimigos, estão tal como os que nos tratam bem, a cumprir um papel importante para a definição do nosso caminho.

Acredito que somos seres de luz que vivem noutro plano e que de tempos a tempos vimos em viagem de aprendizagem a este planeta.

Quando eu defendo que: competição, traição, deslealdade,agressão, homicídio, são situações deste plano e que no outro plano isso era impossível porque a relação entre todos os seres de luz é orgânica, ou seja nenhum deles faz nada para prejudicar outro porque estaria a prejudicar-se a si mesmo, sinto que quem me ouve tem dificuldade em imaginar tal situação.

Por isso eu vou contar um história deste plano que julgo irá esclarecer e sobretudo transmitir a ideia de que mesmo aqueles que aparentemente são “mais pequenos”, não são por isso menos importantes que os outros que aparentemente são “maiores”e todos temos de trabalhar em harmonia para o bem da humanidade.

Uma vez os orgãos de um determinado corpo estavam a discutir quem seria de facto o orgão mais importante.

O coração dizia que era ele porque se parasse durante alguns minutos o corpo morria. O cérebro dizia que ele era de facto o mais importante controlava tudo até o funcionamento do coração. Depois seguiram-se o fígado os pulmões e o pancreas, até que se ouviu uma voz lá do fundo :

-Ok já estou farto da vossas conversa, vou fechar a loja e vocês os importantes que se aguentem .

Mas quem és tu ? Peguntou o cérebro . Eu sou o cu, respondeu a voz e a gargalhada foi geral.

A partir daquele dia mais nenhum dejecto saiu do corpo. Passados alguns dias as infecções alastravam primeiro no intestino depois no estômago, as defesas do corpo eram destruidas uma a uma . A determinada altura o cérebro deu conta de que o coração e os pulmões iam colapsar e pensou bem temos que falar com o cu.

Ligação orgânica é isto nenhum é o mais importante mas somos todos imprescindíveis.

Saudações

O Viajante

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

O medo

Ah! o medo vai ter tudo

(Penso no que o medo vai ter

e tenho medo

que é justamente
o que o medo quer)

Alexandre O'Neill "Medo"


Há alguns dias uma amiga blogger falava dos seus medos e das dificuldades em enfrentá-los e superá- los. Por isso eu resolvi também falar do assunto já que sinto como Alexandre O'Neill que o medo vai ter tudo.

O medo faz parte da nossa natureza. Boa parte do nosso sucesso enquanto espécie reside nele.

Chamamos-lhe instintos e são como que programas que foram ficando inscritos no nosso código genético. Foram-se instalando no sistema límbico a parte mais primitiva do cérebro e ainda hoje nos permitem reagir fisiologicamente de forma quase automática a situações de perigo.

Com o desenvolvimento de outras partes do cérebro, desenvolvemos novas capacidades muitas delas situadas no lobo frontal do cérebro que controla não só a nossa razão como também a nossa personalidade. Hoje a nossa mente faz construções complexas e claro as emoções e o nosso companheiro "medo" estão presentes e de forma mais sofisticada.

Portanto o medo vai ter tudo como diz o poeta, não vale a pena fugir dele, vai estar presente em todos os momentos da nossa vida. Temos de o conhecer, falar com ele ler os seus sinais e claro não fazermos o que ele quer que é termos medo dele.

Saudações

O Viajante

domingo, 29 de novembro de 2009

Entre marido e mulher....


Na semana passada muito se falou da violência doméstica e embora os números sejam já assustadores com 26 mulheres assassinadas desde o principio do ano pelos maridos ou namorados e cerca de 1800 queixas apresentadas nas autoridades, tenho quase a certeza que estamos só a ver a ponta do icebergue.

A violência é algo que está subjacente à espécie humana, A sobrevivência dos mais aptos e o instinto de conservação resultam em situações violentas ainda nos nossos dias.

A violência doméstica não tem que ver com instintos básicos ou opções políticas, é transversal aos sistemas políticos e às classes sociais e atinge toda a família. Tem únicamente a ver com o poder que as mentes disfuncionais dos agressores de forma cobarde procuram exercer sobre os mais fracos, utilizando violência não só fisica como tambem psicologica contra aqueles que deveriam proteger.

Não julgo os abusados porque só eles sabem o que sentem mas acho imoral o incentivo à denúncia feito por organizações públicas e privadas, que se limitam a acrescentarem mais uma vítima às suas estatísticas e depois deixam-na de novo nas mãos dos abusadores.

Temos de orientar a lei na protecção das vítimas e sobretudo mudar as mentalidades para que os agressores se sintam criticados socialmente.

Estava o Patriarca de Lisboa preocupado com as mulheres portuguesas que pensavam em casar com muçulmanos…


Saudações

O Viajante


PS. depois de publicar este post mais uma mulher foi morta pelo marido dentro da ambulância que a transportava ao hospital para se tratar dos ferimentos provocados pela última sova. A filha de 5 anos estava com a mãe e assistiu a tudo.


sábado, 21 de novembro de 2009

A manta do diabo


Como diz o nosso povo “o diabo tem uma manta que tem alturas que cobre e tem outras que descobre”. As minhas desconfianças em relação à indústria farmacêutica e aos métodos utilizados para venderem os seus produtos já eram “mais que muitas” quando um alto responsável governamental português, ontem na televisão, depois de uma campanha bem sucedida de combate à venda de medicamentos contrafeitos na internet, disse para quem quis ouvir que o mercado dos medicamentos era tão rentável que os narcotraficantes estavam a deixar a cocaína e a heroína para se dedicarem a este novo tipo de tráfego.

Obrigado Sr. Governante esse foi mais um passo no caminho para nos convencer que de facto mesmo em relação à nossa saúde é tudo uma questão de mercado, que o lucro será sempre o objectivo da indústria e a ética é um bom tema para se falar num qualquer seminário, fica bem.

Saudações

O Viajante

domingo, 1 de novembro de 2009

Á procura!


Por razões profissionais, tenho dado algumas férias ao meu blog. Não resisti contudo a “botar” palavra na polémica criada pelo nosso José Nobel.

Numa manobra de marketing à velha maneira do departamento de agitação e propaganda de qualquer partido comunista mais ortodoxo, mas orientadada para objectivos bem capitalistas, o nosso José Saramago quando escreve um novo livro, voa do seu refúgio em Lazarote e faz declarações quase sempre polémicas normalmente sobre a igreja.

Talvez quem sabe, à espera que o Vaticano o transforme no Salman Rushdie do cristianismo, considerou a Bíblia “um manual de maus costumes onde está patente o que existe de pior na humanidade”. Claro que o Vaticano nem tomou conhecimento quanto mais responder e o José teve de se contentar em ser perseguido apenas em Portugal. Acho estranho que até hoje José Saramago nunca tenha comentado ou escrito sobre as ideias políticas que sempre o orientaram. Talvez se o tivesse feito o novo livro se chamasse em vez de Caim, Estaline teria também traição e carnificina em quantidade suficiente.

Outro dos aspectos que eu acho interessante neste homem é a luta contra Deus que ele como ateu defende que não existe. Ele tem que fazer como certas pessoas e assumir-se. Aceitar que orientou a sua vida por ideias estéreis, essas sim que trouxeram ao de cima o lado pior da humanidade, e que está à procura de Deus através da única maneira que um materialista assumido como ele sabe fazer, no confronto.

Saudações

O Viajante

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A teoria da conspiração




Na cadeira de ciência política aprendi que os políticos e os grupos onde se inserem só têm dois objectivos: conquistar o poder e mantê-lo.
O povo, ou como “eles” costumam dizer, os superiores interesses nacionais, não fazem parte desta equação.
Mas não fiquem chocados eles estão a actuar bem, nós eleitores é que estamos a actuar mal. Não exigimos cumprimento das promessas nem penalizamos os mentirosos.
Ora vejamos bem a campanha eleitoral:
Na pré campanha com os debates televisivos discutiu-se de facto o que era importante: a crise económica, desemprego; os partidos tentaram separar as águas procurando transmitir aos eleitores o que os diferenciava dos outros.
Começou a campanha e pronto foram só bombas de fumo: asfixia democrática, escutas na presidência, voto útil, cuidado com a esquerda, cuidado com a direita, a Manuela é salazarenga o Socrates tem um acordo secreto com bloco. Como que por magia os principais problemas dos país desapareceram do discurso dos grandes partidos.
Depois temos os críticos do PS que afinal até acham que Socrates governou bem e querem mais 4 anos disto e por último o homem que não queria influenciar.
Afinal porque é que Alegre falou a favor de Socrates? e Cavaco que só ia falar depois das eleições demitiu o seu assessor de longa data, dando assim uma ajudinha ao PS?
As palavras chave aqui são "Eleições Presidênciais"
Depois dos resultados nas europeias e o facto das últimas sondagens darem um empate técnico entre PS e PSD, alimentaram em Cavaco Silva a esperança de fazer a cooperação estratégica com um governo do PSD, o que seria sem dúvida benéfico para a sua recandidatura.
Daí que tenha deixado cair o caso das escutas telefónicas, que a meu ver foi uma pressão sobre o governo para negociar apoios para a sua recandidatura.
Com o reaparecimento dos emails sobre o caso, Cavaco remeteu-se ao silêncio, apesar das pressões dos partidos, especialmente do PS, que claro era o mais prejudicado.
Quando as sondagens começaram a dar um afastamento do PS em relação ao PSD desfazendo assim o empate a favor do PS, Cavaco lá foi dizendo que para não influenciar o acto eleitoral iria depois verificar o que se passava em termos de segurança na presidência. Mais uma manobra de pressão sobre o governo.
Depois aconteceu a situação mais grave, Alegre surgiu em cena apoiando Socrates e quase garantindo o apoio do PS à sua recandidatura. Perante esta situação tão perigosa Cavaco que não queria influenciar, demite o seu assessor deixando no ar a ideia de que de facto ele fez algo de errado, dando razão às criticas do PS e sobretudoentregando-lhe de bandeja a vitoria nestas eleições, quem é amigo quem é?
Pois é senhor Presidente, de facto trabalhou bem mas mesmo assim não sei se vai ter o apoio do PS para a nova corrida a Belém, se eu fosse presidente do PSD o do partido não tinha de certeza.


Saudações conspirativas


O Viajante

terça-feira, 15 de setembro de 2009

A face oculta



Como é estranho o desejo de nos exibirmos. Como é difícil a simplicidade e a autenticidade!

A autenticidade é, em si, uma tarefa das mais árduas, ao passo que o desejo de nos tornarmos alguém oferece pouca dificuldade. É muito mais fácil fingir ou representar, mas é extremamente complexo sermos aquilo que somos; e isso, porque estamos sempre mudando, nunca somos o mesmo, e cada instante revela uma nova faceta, uma nova dimensão e profundidade.

Podemos estar certos que somos muito sensíveis e eis que um acidente ou um pensamento fugaz nos mostra o contrário; ou, então, podemos considerar-nos talentosos, cultos, com agudo sentido estético e dignos, mas, de repente, ao dobrarmos uma esquina, percebemos o quanto somos ambiciosos, invejosos, carentes, brutais e ansiosos. Somos tudo isso, de momento a momento, e, no entanto, desejamos a continuidade e a permanência daquilo que nos traga lucro e prazer.

Não podemos ser todas estas coisas ao mesmo tempo, pois cada instante trás consigo algo novo. Portanto, se formos inteligentes, abriremos mão da pretensão de sermos alguém ou alguma coisa.

Deixar tudo isso de lado, libertando-nos da contradição e do eterno sofrimento e renunciar a qualquer forma de preenchimento ou realização pessoal, é o que de mais natural e inteligente nos cumpre fazer.

Mas, para que procedamos assim, para que deixemos de ser alguém, é preciso desvendar a nossa face oculta, expô-la sem medo, a fim de a compreendermos. A compreensão de nossas ânsias e desejos ocultos vem da plena consciência deles, o que é também indispensável perante a morte; desta forma, o puro acto de ver destrói aquela estrutura psicológica, libertando-nos do sofrimento e do desejo de ser alguém.

Saudações

O Viajante


segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Estes Americanos...!




Estive a ouvir atentamente o discurso que Obama fez no Congresso para perceber quais eram as razões de tanta contestação por parte dos americanos em relação à criação de um serviço nacional de saúde, que aliás fazia parte do programa de candidatura.
Ao que parece os grandes problemas dos americanos estão relacionados com três medidas que seriam implementadas com este projecto segundo determinadas fontes:

1. Seriam criadas comissões governamentais para decidirem quem receberia tratamento ou não.

2. Este serviço seria utilizado para prestar cuidados de saúde aos americanos que não tivessem meios para os pagar e aos emigrantes ilegais.

3. A criação de um serviço público seria uma atitude intervencionista do governo no mercado.

Embora a meu ver o ponto 1 seja no mínimo surrealista, o que me impressiona é como muitos americanos acreditam que tal é possível numa sociedade democrática. Claro eu sei que eles ultimamente têm visto e até apoiado muitas coisas que não abonam muito à democracia. Por outro lado até os percebo porque isto é o que fazem as companhias de seguros quando sistemáticamente rescindem os contratos com os clientes que têm mais problemas de saúde e como tal mais gastadores. Até agora ao que parece ninguém se indignou ou manifestou contra isso.
Quanto ao ponto dois, para quem corre meio mundo em defesa da liberdade, a derrubar tiranos e a defender os direitos humanos, fazendo até relatórios anuais sobre os direitos humanos noutros países, ter como princípio que dentro das suas fronteiras possam existir pessoas, que por circunstâncias diversas não têm direito a receber tratamento médico é no mínimo estranho, porque o deito à saúde é um direito humano.
Quanto ao ponto 3 será que o conceito de “valor público” é um conceito desconhecido dos americanos. O direito à vida, à saúde, à justiça, à liberdade, à segurança, são direitos universais e como tal têm de ser garantidos pelo estado a todos os cidadãos nacionais ou de outros paises que se encontrem dentro das suas fronteiras, não podem apenas estar acessíveis aos que podem pagar, ou dependentes dos caprichos do mercado ou bem pior da influência dos lobies. Só assim se poderá evitar que no mínimo se criem situações de desigualdade.
Digam o que disserem os especialistas internacionais, América não está preparada para um presidente negro, a prova disso foi o facto do congressista do Dakota do Sul, quando Obama explicava o seu projecto, lhe ter chamado mentiroso. Não me lembro que alguém tenho feito o mesmo ao Bush, apesar daquela farsa das armas de destruição maciça no Iraque, talvez para o congressista afinal os mentirosos sejam só de uma cor.


Saudações


O Viajante

sábado, 12 de setembro de 2009

Os homens são de Marte e as mulheres são de Venus



Desde de que li o livro "Os homens são de Marte e as mulheres são de Venus que tenho feito uns cursos intensivos de venusiano. Hoje chegou-me este e-mail que penso irá ser útil para que os "marcianos" mais distraidos possam conviver melhor com as venusianas deliciosas que por aí andam e claro seria um desperdicio ninguém as entender

11 expressões usadas pelas mulheres...e os seus verdadeiros significados:

1 - "Chega": Esta é a palavra que as mulheres usam para encerrar uma discussão quando elas estão certas e tu tens que te calar.
2 - "5 minutos": Se ela está a arranjar-se significa meia hora. "5 minutos" só são cinco minutos se esse for o prazo que ela te deu para veres futebol antes de ajudares nas tarefas domésticas.
3 - "Nada": Esta é a calmaria antes da tempestade. Significa que ALGO está a acontecer e que deves ficar atento.. Discussões que começam em "Nada" normalmente terminam em "Chega".
4 - "Tu é que sabes": É um desafio, não uma permissão. Ela está a desafiar-te, e nesta altura tens que saber o que ela quer... e não digas que não sabes!
5 - Suspiro ALTO: Não é realmente uma palavra, é uma declaração não-verbal que frequentemente confunde os homens. Um suspiro alto significa que ela pensa que és um idiota e que só está a perder tempo a discutir contigo sobre "Nada".
6 - "Tudo bem!!!": Uma das mais perigosas expressões ditas por uma mulher.. "Tudo bem!!!" significa que mais cedo ou mais tarde vais pagar na mesma moeda pelo que fizeste e com juros.
7 - "Obrigada": Uma mulher está a agradecer, não questiones, nem desmaies. Apenas diz "de nada". A menos que ela diga "MUITO obrigada"- isso é PURO SARCASMO e ela não está a agradecer por coisa nenhuma. Nesse caso, NÂO digas "de nada". Isso apenas provocará o "Esquece".
8 - "Esquece": É uma mulher a dizer "Vai-te ... !!"
9 - "Deixa estar, EU resolvo": Outra expressão perigosa, significa que uma mulher disse várias vezes a um homem para fazer algo, mas agora está ela a fazer. Isto normalmente resulta no homem a perguntar"mas afinal o que é que queres?". Para a resposta da mulher, consulta o ponto 3.
10 - "Sabes, estive a pensar...": Esta expressão até parece inofensiva, mas usualmente precede os Quatro Cavaleiros do Apocalipse.
11 - "Precisamos ter uma conversa!": estás a 30 segundos de levar com um belo par de patins.
Sem paranoias vamos estar atentos às parceiras, embora com a consciência clara que no que respeita aos jantares nós começamos fazendo o convite mas só elas sabem como acabam.

Saudações

O Viajante

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

E ainda a guerra!


Faz hoje oito anos que pela primeira vez os americanos viram o seu país ser atacado. Dois ataques bem sucedidos no wordl Trade Center e no Pentágono provocaram cerca de três mil mortos, na sua esmagadora maioria civis, que pacificamente iniciavam o seu dia de trabalho ou viajavam em negócios ou para se reencontrarem com entes queridos.
Pela primeira vez os americanos viram o horror da guerra à sua porta, a destruição, os feridos, os mortos, o sofrimento das famílias e todo o conjunto de desgraças que resultam das guerras.
Mas não chega recordarmos os mortos de Nova Yorque ou Washinton torna-se necessário para que o mundo não se esqueça recordar os de Guernica provocados pelos franquistas e seus aliados fascistas, Londres e Varsóvia provocados pelos ataques alemães, Dresden e Colónia, pelas bombas incendiárias inglesas, Xangai e Nanquin, pelas japonesas e Hiroshima e Nagasaky pelas bombas atómicas americanas.
Em todas elas o cortejo de horrores, miséria e morte que os senhores da guerra fizeram desabar sobre as populações indefesas, chacinando os não combatentes, velhos mulheres e crianças, para segundo eles encurtar a guerra e salvar vidas.
Enquanto vivermos num mundo em que existam guerras justas ou que o valor da vida dos seres humanos tenha que ver com a sua nacionalidade, surgirão com certeza mais onzes de Setembro e não será a tecnologia e as armas dos que se julgam bem defendidos que irá impedir novas tragédias.
Que se calem as armas e falem os corações!
Saudações
O Viajante

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Adormecer aqui e acordar do outro lado



Bem, sensível aos pedidos (especialmente femininos) pus em movimento a roda da inspiração e saiu-me esta brincadeira. Uma aventura do João Bettencourt 1º oficial do "Lusitânia".

João deitou-se, ligou o interface neural e o sistema de sensores de segurança e adormeceu. Foi de imediato transportado a uma realidade virtual indutora do sono e do sonho. Um presente dos homens da ciência para que possamos dormir de forma mais profunda.
Os pensamentos chegavam à sua mente como ondas à praia, mas são um tanto imprecisos nos pormenores, talvez um problema no interface neural. Como algo distante o João recorda-se de pela enésima vez ter verificado o uniforme.
Ele era um dos felizardos, só iria entrar de serviço na viajem de volta. Depois do jantar era como se continuasse de férias. Era 1º oficial a bordo do “Lusitânia” especializado em informática e comunicações. Desde muito jovem que a sua inclinação para tudo o que fosse computadores tinham-no transformado, não desfazendo dos colegas, num autêntico mago cibernético.
Adorava viajar e todas as viagens eram como se fossem a primeira. Ficava na ponte a observar encantado o azul do nosso planeta, ou as estrelas. Uma vez resolveu dar um pouco de “corda” ao astrónomo amador que existia em si e pensou, recorrendo aos seus conhecimentos técnicos, fazer um mapa astral para os que apesar de toda a tecnologia ainda gostassem de navegar apenas pelas estrelas.
A sua especialidade era de fundamental importância para a preparação da viagem, mas durante, só se houvesse alguma avaria. Daí que mesmo de turno poderia voltar a atenção para o seu projecto astronómico.
No fim do jantar, que como sempre foi óptimo, o comandante despediu-se do pessoal do 2º turno como quem sugeria que iríamos atravessar um qualquer buraco negro ou “stargate” temporal, dizendo com um sorriso: “encontramo-nos do outro lado”
De repente o interface neural conforme programado despertou-o. João abriu os olhos desligou os sensores de segurança tomou um duche rápido e apresentou-se na ponte. Olá senhor Bettencourt chegou a tempo de ver o nascer do sol, espero que tenha descansado, saúdou-o o comandante. João Olhou pelas janelas da ponte e reparou que o sol surgia por detrás do planeta mas este não era azul era mais para o avermelhado. Descansado? Claro, pensou ele, tinha começado a dormir na Terra e ao fim de seis meses acordado em Marte, só podia.
Saudações
O viajante

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Compreensão - chave do conhecimento


Que bom seria termos uma garantia absoluta de segurança. Se pudéssemos ter a certeza de tudo o medo desapareceria, fosse em relação ao presente fosse em relação ao futuro.
Mas não temos e por isso, quer consciente quer inconscientemente, estamos sempre à procura de segurança. Muitas vezes física desenvolvendo capacidades ou acumulando bens, outras vezes emocional ligando-nos a sistemas de ideias ou crenças, na busca da virtude da felicidade do amor e do pretenso conhecimento
Mas embora nos entrincheiremos por trás das seguranças do conhecimento, da virtude, do amor e da posse, embora edifiquemos muitas certezas, estamos sempre a construir uma casa sem alicerces que será derrubada facilmente pelas ondas da vida que chegam em experiências, uma após outra e que destroem todo o conhecimento anterior, todas as certezas anteriores, arrastando as seguranças que tão diligentemente construimos, disseminando-as ao vento como palha.
Como tal procuramos continuamente a substituição, e essa substituição torna-se a nossa meta, o nosso objectivo. Dizemos, esta crença provou não ser de qualquer valor, portanto deixa-me virar para outro conjunto de crenças, outro conjunto de ideias, outra filosofia.
Só que não nos livramos do medo pela remoção de um conjunto de crenças substituindo-o por outro. Torna-se necessário que tomemos consciência do verdadeiro valor das crenças a que nos agarramos, do significado persistente dos nossos instintos de posse, das limitações do nosso conhecimento e das seguranças que edificamos. Somente atingindo essa compreensão podemos pôr fim ao medo.
Talvez para que possamos compreender o Cosmos no seu significado pleno, torna-se necessário que a mente esteja vazia, livre dos grilhões do espaço do tempo e do hábito da aquisição auto-protectora.


Saudações


O Viajante


terça-feira, 1 de setembro de 2009

Ai os brandos custumes!






Mais uma tragédia aconteceu no nosso pais e uma família que passava as suas férias no Algarve acabou por ser noticia pelas piores razões.
A sinalização de perigo lá estava mas não impediu que num espírito de “nacional porreirismo” sempre com aquela ideia de que só acontece aos outros, que várias pessoas se tenham posto à sombra da falésia, e ficado debaixo dela quando desmoronou.
De imediato o governo respondeu com a politica da casa roubada trancas na porta, mandando verificar as falésias de todas as praias deste país ( só de ouvir isso, e se a situação não fosse tão triste, teria ficado cansado, de tanto rir claro). A comunicação social antecipou-se ao governo deu a volta a todas as praias do país (com falésias claro) conversando com os corajosos banhistas que por baixo delas continuam a colocar as suas toalhas.
Pois já venho há alguns anos para aqui no Verão e nunca me aconteceu nada, dizia um. Só me apeteceu dizer como os miúdos: dah!! Se tivesse acontecido não estavas a dizer asneiras na televisão. Uma senhora segurando o seu filho de tenra idade dizia que aquilo era um lugar público e que se algo acontecesse a culpa era do governo. Pois claro como os neurónios são poucos batemos no “ceguinho”. Até parece aquela anedota do camionista que estava a fazer uma mudança e se deparou com uma ponte que de acordo com a sinalização não suportava o peso do seu camião. Ao ver a sua hesitação o cliente que ia sentado ao seu lado disse-lhe com ar de quem tudo soluciona: "Ó homem avance, a policia nunca costuma estar por aqui".

Se pagamos multa por não usar capacete, cinto de segurança ou cadeira especial para bébé por que raio não havemos de pagar também por não obedecermos aos sinais de perigo? Colocamos de forma incompreensivel a nossa vida em risco e muitas vezes a dos outros que nos tentam salvar. Quanto custou ao país aquele acidente: cinco mortos, três dezenas de bombeiros destacados para o local, outros tantos voluntários, policia maritima, técnicos, pelo menos quatro máquinas e o combustível gasto pelos nossos governantes que lá se deslocaram.

Podia não resolver a crise mas talvez ajudasse.


Saudações


O Viajante

domingo, 30 de agosto de 2009

Os males do ego


Há algumas semanas em conversa com um familiar veio à discussão a necessidade de anularmos ou pelo menos controlarmos o nosso ego que é visto por várias correntes espiritualistas como a fonte de muitos dos nossos problemas quotidianos.
Se tivessemos que definir o que é o nosso ego (eu), apesar da dificuldade em apontar todos os aspectos que o definem, encontrariamos uma boa dúzia de factores que contribuem para a sua construção. Assim poderiamos dizer que o ego é o conjunto dos nossos sentidos, dos nossos sentimentos, da nossa imaginação, das nossas qualidades, e defeitos, das nossas aspirações e ambições, das nossas alegrias e tristezas e daquilo que possuimos.
Olhando bem damo-nos conta de uma coisa, parece que o ego não se limita à posse das coisas materiais ou a motivar uma atitude centrada em nós, para além da acção consciente, agindo no exterior o ego é também uma profunda consciência interior que se expande pelos difrentes níveis de consciência do nosso plano
Daí que o mesmo ego que todos os dias provoca, guerras, miséria, corrupção e violência, também é capaz de agir para o bem, tentando de alguma forma contrabalançar os aspectos negativos que apontei.
Fundamentalmente o que caracteriza o ego é a acção. Mesmo quando nós decidimos mudar, ser agradáveis com os outros, ser humildes, não sermos egoistas, deixarmos de acumular coisas. Tudo isto resulta da acção ego e não de aumento do nosso auto-conhecimento, ou de qualquer ligação especial ao Universo.
O ego leva-nos a agir permanentemente, formulando, racionalizando, criando, mas como está ancorado num sistema de regras, crenças, tradições e aculturação, apenas nos dá uma perspectiva parcial da realidade, o que para quem procura um conhecimento integrado(absoluto) das grandes leis universais é muito limitado.
Sempre que pensamos em verdade, amor ou até felicidade, nós racionalizamos, formulamos conceitos e chegamos até à brilhante conclusão que existe mais do que uma verdade, que o amor ou a felicidade se revestem de várias formas. A verdade o amor e a felicidade são "incriados", podemos dizer apenas que eles existem, quando racionalizamos sobre eles estamos apenas as criar reproduções pobres, quase ilusões, que nos acabam por criar situações de sofrimento.
Para entendermos a verdade o amor e a felicidade talvez a nossa mente tenha que deixar de racionalizar, de criar, sentar-se muito quieta, aumentar a sua flexibilidade e a sua tranquilidade até ao infinito, sem espaço nem tempo, só assim surgirá a compreensão, com ela o auto-conhecimento e com ele a paz.

Saudações

O Viajante


sábado, 29 de agosto de 2009

Mais "selos" para o "Café e bolos"




Quando cheguei de férias já tinha dois "selos" que a Shin Tau do "Grimoir - O livro sobre o caminho do meio" e a Marise Catrine dos "Momentos recortados" fizeram o favor de atribuir ao meu blog.
Tenho estado à espera do regresso de férias destas duas amigas bloggers para colocar este post.
Embora eu goste sempre dos vossos prémios por vezes tenho alguma dificuldade em distribuí-los já que a lista de amigos do meu blog não é lá muito extensa. Poderá acontecer que mande para um ou dois e não para os cinco que em alguns casos é solicitado, mas é sempre ancorado em dois sentimentos: gratidão em relação a quem me oferece e muito carinho para quem envio.
Em relação ao selo oferecido pela Shin Tau que tem por título "Seu blog é mágico" vou enviá-lo a três amigas bloggers:
Á Barbara e ao seu blog "lesados em geral" porque consegue falar de assuntos sérios de forma caústica mas tambem criativa e com uma pitadinha de humor, que torna interessante e agradável a leitura dos seus "posts".
Á Adriana e ao seu bolg "Arte Voadeira" pelos seus desenhos lindos que por exemplo, transformam um simples livro de receitas numa obra de arte.
Á Marise Catrine e ao seu blog " Momentos recortados" pelo conteúdos sempre profundos e relevantes dos seus posts.
Quanto às questões:
Musica mágica: Carmina Burana
Filme mágico: Excalibur
Viagem mágica: Tomar
Maquilhagem mágica: apesar da minha inexperiência nessa area eu diria que são todas porque todas as mulhereres ficam mais bonitas com elas e aí reside a magia da coisa.
Quanto ao outro "selo" oferecido pela Marise Catrine "Blog Coração de ouro vou oferecê-lo a mais três amigas bloggers:
Á Seeker e ao seu blog "Searching the inner me", porque de facto linda tu tal como o teu blog têm coração de ouro.
Á Vânia e ao seu blog "Para além da borda" porque isto de viajar na "montanha-russa" tem de ser feito com o coração e a contar com os amigos que nos esperam na chegada.
Á Carla do blog"Piscos de gente" para lhe agradecer a sua amizada e apoio.

Saudações

O Viajante






quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Expliquem-me para ver se entendo





Os americanos podem ter muitos defeitos mas a falta de auto-critica não é um deles seguramente.

Estive a assistir ao programa “60 minutos” e fiquei chocado com o facto de num país como os Estados Unidos existirem pessoas que estão condenadas a morrer porque não têm dinheiro para pagarem os tratamentos médicos.
Alguns deles na cidade de Los Angeles doentes oncológicos que por estarem doentes perderam o seu emprego e como tal o seu seguro de saúde e agora quase sem dinheiro para comer viram-se confrontados com o facto de o hospital da cidade ter de encerrar a sua unidade de oncologia onde atendia esses doentes, gratuitamente, porque as verbas de funcionamento foram reduzidas em várias dezenas de milhões de dólares.
São pessoas que até há bem pouco tempo trabalhavam e nunca estiveram inscritas na assistência social e agora são praticamente abandonadas pelo sistema que as explorou durante a maior parte da sua vida.
São cerca de 45 milhões os americanos que por razões diversas não têm seguro de saúde. As companhias de seguro lá tal como aqui tendem a rescindir os contratos com os clientes que lhes causam mais problemas o que quer dizer que a partir dos cinquenta anos existem poucos contratos individuais. São as empresas que asseguram isso nos benefícios sociais que dão aos seus trabalhadores, que obviamente acabam quando as pessoas são despedidas, o que não é difícil já que a legislação laboral é extremamente flexível.
Perante esta tragédia humana gostaria que me explicassem porque razão estão os americanos tão preocupados com a ideia do seu presidente de criar um serviço nacional de saúde para que ninguém morra por falta de assistência. A desinformação é enorme e há uma verdadeira campanha para que Obama desista, talvez por parte daqueles que provocaram esta crise económica, que lançaram a América numa guerra em duas frentes, que encheram os bolsos com a especulação dos preços do petróleo mas quase deixaram morrer à fome as vítimas do "Katrina" e passam o tempo a dizer: "we support our troops". Eu tambem apoiavam desde que sejam eles a levar os tiros e a morrerem em vez de mim e eu a encher os bolsos.

Interessante como um pais que corre meio mundo para acabar com tiranias e na defesa dos direitos humanos tem dificuldade em ajudar uma parte da sua população quando doentes. Talvez as multinacionais do sector saibam as razões. Cada vez gosto mais da economia de mercado!!


Saudações

O Viajante

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Muita caldeira e pouca bandeira



Parcerias públicas/privadas é o que está a dar. Depois do escândalo dos contentores agora temos a linha saúde 24.
Instrumento fundamental, segundo o governo no combate a gripe A, parece não estar a cumprir a sua função. As críticas são mais que muitas e em carta dirigida ao ministério vários profissionais da saúde falam de caos.
A própria ministra veio a público admitir que a linha de saúde 24 apenas atende um terço das chamadas que estão contractualizadas e que segundo governante são 10 mil por dia.
Por seu lado a empresa gestora da linha de saúde 24 defende-se dizendo que quando este serviço foi criado na Primavera de 2007 apenas foi considerado o funcionamento normal do sistema, com alguns picos de situações de sazonalidade", mas não 10 ou 20 mil chamadas por dia, nem sequer foi posta a hipótese de uma pandemia.
Como tal o ministério terá que aumentar as verbas para que a empresa possa contratar mais 400 enfermeiros.
Então meus senhores, afinal quem fala verdade aqui? isto já parece a situação de Sta. Maria. Vamos lá mostrem o papel e acabem de vez com esta troca de galhardetes. Se está estipulado no contratado 10 mil chamadas por dia, os responsáveis pela empresa que cumpram e deixem de andar à procura do dinheiro dos contribuintes para tapar os seus erros gestionários. Se continuam a não cumprir o contrato só há um caminho rescisão. Não faltarão empresas por aí dispostas a gerir a linha de saúde 24 e talvez com melhores resultados.
Estou cada vez mais desconfiado com estas parcerias público/privadas que vão alimentado sem conta nem medida, com os nossos impostos, uns quantos “ empresários de sucesso”. Já agora gostava de saber, quem fazendo frente à crise comprou o seu Ferrari este ano. Por cá foram vendidos 20, mais 11 que no ano passado.
Saudações
O Viajante

sábado, 1 de agosto de 2009

Porque gosto do teu sorriso



Adoro o teu sorriso Porque é:

Radioso como o sol ao meio dia

Forte como aquela onda que nos alaga completamente

Seguro como um porto de abrigo em dias tristes

Cristalino como a água daquela cascata na Serra da Estrela

Doce como os pastéis de nata daquela lojinha do Colombo

Quente como o solinho que gostamos de sentir num dia de Inverno

Tranquilo como aquele por do sol à beira mar

Revelador porque diz o que a tua alma sente

Envolvente porque nos cerca de uma luz com cambiantes de arco-iris

Saudoso porque sentimos a sua falta quando não o temos

Imenso como o amor que transparece nos teus olhos


E pronto agora já sabes!


Um Beijo terno linda Seeker


O Viajante

domingo, 19 de julho de 2009

Hoje vi estrelas!


E pronto já cá estamos no nosso lugar de férias.

Uma paisagem serrana com um hotel com ar alpino, com piscinas e spa. Os ingredientes estão presentes, portanto julgo tudo irá correr bem e serão com certeza momentos para recordar.

Claro que para um homem que vive junto ao mar, a montanha pode em determinadas alturas nos fazê-lo sentir-se claustrofóbico. Eu tenho uma técnica, quando me sinto assim, olho para o céu e foi isso que fiz ontem.

Dei por mim a pensar na Ursa Maior e na sua filha mais pequena, na Cassiopeia e na sua forma em W, na Orion e nas três estrelinhas que se encontram no seu centro e que por cá se chamam as Três Marias. Até apontei a Estrela Polar e como não podia deixar de ser Venus.

Muitos destes corpos celestes estão a distâncias inimaginaveis, daí que sejam medidas em “anos-luz” ou seja a distância que a luz percorre durante um ano, qualquer coisa como 9 triliões de quilómetros.

Tirando o nosso Sol a estrela mais perto de nós , Proxima da constelação Alfa de Centauro, está a cerca de 4,5 anos-luz mais ou menos 40 triliões de quilómetros.

A sonda Voyager, a mais rápida de todas as naves construidas pelo homem, demoraria 700 mil anos a percorrer essa distancia.

Depois de ter pensado tudo isto olhei de novo para as estrelas e pensei quão falíveis podem ser os nossos sentidos, talvez quem saiba estou a olhar para um céu que já não existe. Talvez algumas das estrelas que me enviaram a luz que hoje eu estou a receber, tenham deixado de existir há milhões de anos atrás.

De facto somos seres bem adaptados ao nosso planeta contudo teremos que desenvolver outras capacidades se queremos sair dele, seja para o espaço seja para outros planos.

Os nossos cientistas também estão cada vez mais na onda dos felizes que acreditam sem terem visto.

Saudações

O viajante

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Estou nas nuvens!!


Não em sentido figurado mas na verdadeira acessão da palavra. Estou a cerca de dez mil metros sobre o Atlântico a caminho de Lisboa e de umas férias, não sei se merecidas mas sem dúvida necessárias.

Ao ver-me dentro deste charuto a oitocentos quilómetros por hora não pude deixar de pensar no que a nossa espécie tem feito na tentativa de se adaptar ao planeta e nos riscos que muitas pessoas correm todos os dias atravessado o mar ou o ar, dois ambientes hostis para qualquer ser humano, confiando apenas na tecnologia, isto claro apesar de existiram falhas que conduzem inúmeras vezes ao desastre

"Crescei e multiplicai-vos, enchei e dominai a terra". Esta frase, tida como palavra de Deus transcrita do Antigo Testamento, parece dar a ideia que Ele queria que fizéssemos a terra à nossa imagem, mudando-a de acordo com as nossas necessidades, aparentemente deixando a porta aberta a todo o tipo de agressões ambientais e outras.

No entanto seria bom que os defensores da última parte da frase dessem atenção à primeira palavra : crescei.

Só crescendo sobretudo em espírito é que conseguiremos ver que a palavra chave na nossa relação com o planeta não é domínio mas sem simbiose.

Saudações

O viajante

quinta-feira, 25 de junho de 2009

"Amar" sem Amor


“Não existe acto mais cobarde do que despertarmos noutro ser humano o amor sem nunca termos a intenção de o amar”.
Claro que isto não se aplica a todas as relações que não resultaram, muitas delas tiveram no seu início sentimentos profundos, vontade de arriscar numa vida a dois, mas que por circunstâncias diversas não chegaram a bom porto.
Estou a falar de certas pessoas muito mais preocupadas em ter do que em ser, que por razões que apenas têm que ver com o seu conforto pessoal ou até com um certo espírito caçador, mudam completamente de personalidade, no sentido de garantirem algo que pretendem de outra pessoa, cercando-a de todo tipo de atenções, levando a uma resposta que é muitas vezes baseada num sentimento genuíno.

Como não conseguem definir bem o que sentem, talvez porque na sua primeira infância viveram num ambiente pouco afectivo e tal como os bebés apenas têm situações de conforto e desconforto, que ao longo da sua vida nunca conseguiram descodificar, tendem a controlar de forma quase obcessiva a relação e o parceiro/a.
São normalmente pessoas que fazem as suas escolhas de forma pragmática: novo, bonito, rico, bem empregado, boa casa, bom sexo Enquanto estas variáveis se mantiverem a pessoa sente-se bem na relação e quer mantê-la. Constroem-se carreiras profissionais, até se têm filhos, mas o amor, pelo menos pela parte dessa pessoa nunca está presente.
Depois quando naturalmente por circunstâncias da vida novas variáveis são acrescentadas como problemas profissionais, de saúde ou financeiros, especialmente afectando o parceiro/a o desconforto instala-se e os defeitos do outro surgem do nada, e parecem aumentar diariamente. A ruptura é feita a nivel psicológico quase desde o ínicio e o tempo vivido até à ruptura de facto é doloroso e marcado por conflitos já que a fraca tolerância aos problemas dos outros é uma das caracteristicas destas pessoas. Se existem relações que se mantêm por mais tempo deve-se sobretudo ao facto de existirem filhos, património, ou à custa de vidas duplas.
Claro que o pragmatismo também tem os seus riscos especialmente quando essas pessoas se envolvem com pessoas que funcionam como elas. Quando descobrem que na verdade a pessoa não tem nada que ver com a imagem que quis “vender” nos primeiros encontros, sentem-se enganadas e a relação transforma-se numa luta para determinar quem têm a última palavra. Durante algum tempo irão haver encontros e desencontros até que um deles tenha uma perspectiva de vida que o atraia mais. Então aí a luta acaba. O outro pode ainda “refilar” mas como deixa de ter resposta acaba também por tentar reorientar a sua vida.
A maior parte não reconhece essa falha de personalidade e como até tem tido alguns resultados irá usar essa estratégia até ao fim, independentemente dos estragos que possa provocar à sua volta.

Algumas conseguem ser honestas com os outros, especialmente quando não pretendem nada deles, mas quem as conhece sabe que são pouco sensíveis aos problemas alheios e difíceis de confiar.

Acredito que muitas delas gostariam de mudar alguns aspectos da sua personalidade porque têm consciência que a sua insatisfação permanente magoa quem elas trazem para a sua vida e não as faz felizes.
Acho que o primeiro passo para mudarem as coisas seria alterarem os parâmetros de escolha, dos parceiros/as. Depois, se encontarem o amor na pessoa que escolheram devem guardá-lo e protegê-lo como algo muito valioso, que irá servir de suporte à relação sobretudo nos momentos difíceis.

O caminho para a felicidade assenta no amor, na amizade e na compreensão e exige trabalho e confiança.

Saudações



O Viajante

A Festa do Sol




Na noite de 23 com o desfile das marchas de S. João viveu-se o momento mais alto das festas em hora de S. João que animam, de 19 de Junho até dia 28 a cidade de Angra do Heroismo, conhecidas pelas “S. Joaninas”.

Depois de em anos anteriores terem celebrado a diversidade cultural e o papel da cidade na carreira das indias, as festas têm como tema este ano o Sol, enquanto gerador de energia e força para caminharmos no sentido de um futuro luminoso.

Contudo a festa não se reduz às marchas. Desfiles de grupos folcloricos e filarmónicas, bem como eventos desportivos como regatas e provas de BTT, passando por exposições de pintura e fotografia, mostras etnográficas e como não podia seixar de ser, esperas de gado e corridas de touros.

Todas as noites em seis pontos da cidade haverão espectáculos musicais, alguns deles com artistas de renome e também estão disponíveis um pouco por toda a cidade “tasquinhas” onde para além da comida “normal” se podem provar alguns petiscos locais como lapas grelhadas, favas cuadas, batatas com massa malagueta, morcela frita e a alcatra.

As festas são encerradas por um desfile de bandas filarmónicas, que na Terceira são vinte e duas, e por um sempre espectacular fogo de artificio.

Espero que para o ano alguns de vós que estão a ler este post resolvam passar por cá e divertirem-se um pouco

Saudações

O Viajante

domingo, 14 de junho de 2009

Da Saudade


Hoje Lisboa recebeu-me com um manto de sol e céu debruado a colinas.

Olhei para os rostos ansiosos dos que esperavam familiares e amigos na saida do aeroporto e instintivamente procurei-te, mas claro não te vi.

Dei-te um beijo e tu ficaste. Eu sei como ficaste!!

Mil milhas depois já sinto saudades dos teus abraços

Passeei pela cidade mas os “nossos” lugares tinham uma cor diferente.

Hoje senti que de facto somos como uma caravela, se eu sou o leme tu és a vela que enfrenta os elementos e nos impulsiona.

O bom das partidas é que deixam sempre em aberto a hipotese do regresso e os regressos são muito mais honestos e sobretudo mais saborosos

Deixo-te com um beijo linda “seeker”, dorme e sonha.

O Viajante

sexta-feira, 12 de junho de 2009

A vingança da natureza ?


Não sei porquê mas este surto quase pandémico da gripe A que teve inicio no México está a preocupar-me.
È facto que é menos letal que a gripe espanhola, que em 1918 matou mais de vinte milhões de pessoas, ou que as gripes asiática e de Hong kong que em 1958 e 63 mataram mais de quatro milhões.
Apesar de estarmos quase no Verão e tendo em conta as medidas tomadas de imediato pela maioria dos países, impressiona a forma como em poucos meses foram infectadas mais de duas dezenas de milhar de pessoas e cerca de 150 morreram. Como será no próximo Outono/Inverno, quando as temperaturas baixarem?
Continuamos a atacar estes vírus com antibióticos ou anti-inflamtórios. E a velha vacina? Segundo os especialistas não resulta porque o vírus tem mutações com muita frequência. Com muita frequência eles querem dizer em alguns meses, ou seja nada nos garante que no próximo Inverno o vírus não esteja muito mais letal do que agora.
Ao que parece dantes tanto os vírus como as bactérias sofriam menos mutações tornando as vacinas mais eficazes. Ultimamente não acontece assim, talvez porque tenhamos banalizado o uso dos antibióticos acabámos por forçar o microrganismo a inscrever no seu DNA a aceleração das mutações como forma de sobrevivência. Este processo terá acontecido num espaço de sessenta anos o que será um tempo extraordinariamente curto para um organismo vivo.
Daqui a mais alguns anos, e quando digo alguns estou a falar em 2 ou 3, os antibióticos existentes não terão qualquer efeito nos vírus e bactérias que nos vão atacar.
Então aí a nossa omnipotente tecnologia vai ter muitas dificuldades em nos valer e afinal não serão as armas nucleares, a poluição ou as mudanças climatéricas mas uns seres vivos, que não precisam de cérebro para serem inteligentes, muito mais capazes do que nós, que irão talvez quem sabe, obrigar-nos a repor o equilíbrio natural.


Saudações

O Viajante

segunda-feira, 8 de junho de 2009

O Caminho e a busca do Equilibrio


A forma como interajo com as pessoas e com o ambiente à minha volta resulta com certeza das experiências que fui vivendo desde que cá cheguei.
A tolerância em relação aos outros bem como a capacidade de os ouvir, ajudar e até perdoar se for caso disso, não são atitudes fáceis e eu admito que nestes anos tive e tenho algumas intolerâncias por resolver, não ajudei algumas pessoas que podia ter ajudado e não consegui perdoar outras.
A minha recusa em ver as coisas, assobiando para o lado como se não existissem, motivou por vezes respostas do Universo que quase sempre me foram colocadas de forma súbita e brutal. Apesar da primeira reacção ser fugir o facto de estar “encostado à parede” só me dava um caminho, resolver a questão.
Aprendi a ser amável o que não quer dizer que o consiga ser com toda a gente. Até quando discutimos ideias podemos ser amáveis, magoar alguém porque achamos que ele é fraco ou indeciso acabará por ser um acto de arrogância da nossa parte e talvez em defesa de uma ideia que amanhã nós próprios chegamos à conclusão que não estava tão correcta assim.
Aprendi também que muitas vezes as pessoas não mudam, não porque não querem, mas porque não são capazes. Por vezes aquilo que para nós parece fácil e lógico (como se nós fossemos lógicos) para determinadas pessoas é uma muralha quase intransponível.
A primeira atitude é não há pachorra para essa gente, achamos que eles andam por aqui para ocuparem o nosso tempo, sugarem a nossa energia. Claro que depois aparece alguém na nossa vida que manipula e mente sistematicamente e nós vamos sempre arranjando tempo e vontade para o perdoarmos.
Eu não vejo isso assim, acho que muitos deles sofrem a tentar dar a volta e julgo que aquilo que mais os entristece é o facto de se sentirem abandonados e sobretudo incompreendidos.
Não uso túnica branca, não procuro a redenção e apesar de achar que devo ensinar aos que não sabem e corrigir os que eu acho que estão a errar tento fazer isso com amor, tolerância e paciência
Mas claro, isso sou eu, existem outros caminhos tão válidos quanto o meu.
Saudações

O Viajante

sexta-feira, 29 de maio de 2009

O estado de "Ermita"




Numa das cadeiras que tive de fazer na universidade o meu professor aconselhou-nos a leitura de textos de vários autores que segundo ele seriam importantes. Um deles era Friedrich Nietzsche. “Assim falou Zaratustra” ou o “Anti-Cristo” , voltaram-me ao pensamento e lembro-me de ter comentado com ele que não era um dos meus filosofos favoritos. Contudo ele aconselhou-me a ler de novo Nietzsche e garantiu-me que ia ficar com uma perspectiva diferente o que de facto aconteceu.
Quando publiquei o meu último post e tornei a ler as palavras do Mestre Krishnamurti sobre os Requisitos do Caminho e sobre os três grandes pecados da humanidade: maledicência, crueldade e superstição, dei conta da facilidade com que os cometemos.
Hoje li nos jornais aqui na minha ilha que dois miúdos depois de terem espancado um cão largaram-lhe fogo. Há dias tive oportunidade de ler os comentários feitos num forum de opinião em que alguns dos participantes em vez de construtivamente darem o seu parecer sobre o assunto se limitaram de forma anónima a agredir os outros com palavras de uma crueldade extrema.
Rotulamos os outros, com ou sem razão e muitas vezes fazemos campanha contra eles comentando com outras pessoas, engrossando a onda que os irá transformar naquilo que nós já achamos que eles são. E fazemos isto sem pestanejar como se tivessemos a missão de expor os defeitos que julgamos ver nos outros.
Senti necessidade de olhar para dentro e se de facto não precisei de pensar muito para me sentir injusto para com o meu irmão, precisei de muito mais para não o discriminar, apesar das razões que eu possa ter contra ele.
Saudações
O Viajante


domingo, 24 de maio de 2009

Touradas à Corda


Ontem mesmo ao pé da porta tive mais uma manifestação da cultura e tradição da Terceira, as “Touradas à Corda”.
Na sequência das festas promovidas pelas irmandades dos Impérios do Espírito Santo são realizados vários eventos , alguns religiosos e outros profanos. “A Tourada à Corda “ é um desses eventos, muito apreciado e talvez o mais concorrido.
São quatro os touros largados um de cada vez , durante vinte minutos . Ao contrário das largadas no continente, onde os touros são conduzidos a um local fechado, aqui eles são largados na rua onde está o Império e percorrem –na apenas com a limitação de terem uma corda à volta do pescoço que permite a dois grupos de homens “os pastores” controlarem o animal impedindo a sua saída de um espaço que está apenas limitado por duas faixas brancas pintadas no chão.
Normalmente a assistência divide-se em dois grupos: um que está devidamente protegido em locais seguros e que assiste de facto e o outro que está na rua e enfrenta o touro. Destes quatro ou cinco são os “capinhas” toureiros improvisados que com um cobertor ou com um simples chapeu de chuva fazem alguns passos de toureio. Os restantes limitam-se a avançar e a recuar em contraponto aos movimentos do touro.
Nesta tourada não existem bandarilhas ou outros intrumentos que maltratem o animal e os ferimentos que ele possa receber são de quedas ou de saltar muros quando persegue todos os que estão proximos de si.
Os “toureiros” estão de mãos vazias e limitam-se num jogo de gato e rato a tentar enganar o touro e quando não conseguem as consequências podem ser graves. O mesmo pode acontecer a quem se juga seguro, já que apesar das medidas de protecção a força e determinação do animal são impossíveis de avaliar.
Claro que a tourada como tudo aqui na ilha é um momento de convívio quer com as tascas móveis que vendem todo o tipo de petiscos e bebidas, quer com a mesa posta em todas as casas do local para receberem familiares, vizinhos e amigos.
Pensei em colocar um video que desse uma ideia de como decorre uma tourada, escolhi um que tem apenas uma “colhida” já que por vezes os acidentes são graves e a imagens poderiam afligir quem vê. Contudo para os mais destemidos informo que no Yutube existem videos só sobre situações dessas.


Saudações


O Viajante

sábado, 23 de maio de 2009

O "chico espertismo"





Para animar ou anestesiar a malta não sei, depois do caso freeport temos o caso Lopes da Mota que alegadamente terá dito a alguns colegas que seria melhor arquivar o caso freeport, utilizando na conversa o nome do Ministro da Justiça e do Primeiro Ministro, o que foi considerado como uma pressão intoleravel .
Então meus amigos que tem isso de anormal não foi assim que surgiu toda a confusão no dito caso freeport? O promotor do freeport foi falar com o tio para ele falar com o sobrinho que por acaso era Ministro do Ambiente para resolver a situação.

O "chico espertismo" e o "nacional porreirismo" são duas variantes da "cunha" do tempo da outra senhora, que hoje, embora com roupagens mais democráticas, atravessam de forma transversal a nossa socidade .

Foi por isso que o Valentim chateou o presidente da Comissão de Arbitragem por causa dos árbitros para o Boavista, ou o Pinto da Costa recebeu árbitros em casa, sem verem nisso qualquer problema ético.

O "chico esperto" não se vê a si próprio como corrupto ou imoral, pelo contrário considera-se desenrascado e empreendedor.

Outra coisas que os "chicos espertos" têm é horror a segredos (que não sejam deles claro)sejam estratégicos, de justiça ou outros, daí que não haja carta que venha da polícia inglesa, lista de funcionários do SIS ou conversa entre governantes que no dia seguinte não venha escarrapachada num jornal qualquer.

Agora os senhores deputados, como não têm mais nada que fazer, decidiram que têm direito a saber todos os segredos dos estado português e inclusivé vão legislar sobre isso.

Eu acho que os portugueses devem ficar muito preocupados, já que os resultados de uma tentativa que Jaime Gama fez em Abril passado de fazer reuniões de informação entre o SIS e três comissões parlamentares,(só três, cerca de 45 deputados) a da Defesa a dos Negócios Estrangeiros e a do Assuntos constitucionais, não foram brilhantes.

A informação secreta ou reservada bastante sensível deveria ser transmitida pelos nossos serviços secretos aos membros dessas comissões, o que tem alguma lógica e é prática comum em muitos países.

Contudo um dos "chicos espertos" presentes, que gosta de ter boas relações com a comunicação social, descreveu a um jornal a reunião: quem estava, quem faltou, o ambiente e claro os assuntos tratados. Com gente assim não vamos lá.

Outra coisa interessante aconteceu, mas no Reino Unido. Ao que parece muitos deputados de todos os partidos com lugar no parlamento, usaram fundos públicos para pagarem reparações nas casas em Londres, a que têm direito, mas ao que parece inflacionaram as despesas, talvez quem sabe para melhorarem os seus baixos salários.

Tudo foi tornado público e numa atitude muito portuguesa o "Speaker" do Parlamento tentou saber, não quem eram os prevaricadores, mas como é que o jornal que denunciou o caso teve acesso a esse "segredo".

Claro que esta atitude custou-lhe o lugar e no que respeita aos deputados envolvidos na burla a sua carreira política chegou ao fim.

Depois de ler a notícia lembrei-me do caso das viagens fantasma que foi denunciado na nossa Assembleia da República e do que aconteceu aos ilustres deputados envolvidos e pensei como é diferente a política em Portugal.


Saudações


O Viajante

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Me engana que eu gosto !



Tem sido uma semana cheia de notícias encorajadoras. O BCP só no primeiro trimestre deste ano teve 106 milhões de lucro, o que corresponde a um aumento de 625% em relação a igual período do ano passado, será que estamos a sair da crise primeiro que a América?
O Joe Berardo tal como eu ficou tão contente com o desempenho do BCP que resolveu fechar o Savoy na Madeira e por no desemprego mais de centena e meia de trabalhadores, se o banco aumentar mais os lucros será que corremos o risco de não ter hoteis na Madeira?
Uma auditoria ao BPP detectou que este banco não tinha contabilidade organizada.
Ora vamos lá ver se eu entendo: se eu tiver uma pequena empresa que movimente umas dezenas de milhares de euros tenho de ter contabilidade organizada senão a fiscalização da DGCI multa-me, mas se eu for dono de um banco que movimenta centenas de milhões ninguém se preocupa que tenha contabilidade de taberneiro, nem claro o Banco de Portugal que deveria ser o garante de que as instituições bancárias funcionam dentro na legalidade.
Vamos aumentar a dimensão da nossa zona económica exclusiva, um país que praticamente não tem marinha vai defender na ONU o alargamento do seu território. O governante responsável falou em primeiro lugar nos recursos que a nova área, com mais de um milhão de quilometros quadrados, nos pode oferecer, mas esqueceu-se de dizer que não temos nem os meios ou a tecnologia para os obter, nem tão pouco os meios navais para a defendermos, será lirismo ou pouca inteligência?
Belmiro de Azevedo tornou a bater na tecla da competitividade. Mas afinal a competitividade das empresas não tem que ver com o empresários? Com a forma como fazem a sua gestão e a inovação tecnologica?Ah! já sei é por causa das leis laborais. Mas desde há alguns anos a esta parte a legislação laboral é cada vez mais flexível e a competitividade continua baixa. Talvez os senhores empresários queiram acabar com o código do trabalho e deixar ao mercado a solução da questão? Pois nesse peditório já demos com os resultados que estamos a viver.


Saudações


O Viajante

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Aos pés do Mestre V


Requisitos para o Caminho



De todos os Requisitos, o mais importante é o Amor.
Se ele é suficientemente forte num homem, força-o a adquirir todo o resto, porque todo o resto sem ele jamais seria suficiente. Muitas vezes traduz-se num intenso desejo de libertação da roda do nascimento e da morte, é como um desejo pela união com Deus. Mas dizer assim soa a egoísmo, e só revela parte do significado. Não é tanto desejo, mas vontade, resolução, determinação. Para produzir este resultado, esta resolução deve encher toda sua natureza, de modo a não deixar espaço para nenhum outro sentimento. A vontade de ser uno com Deus, não é para poder escapar à fadiga ou ao sofrimento, mas para que em virtude de seu profundo amor por Ele possa agir com Ele e do modo que Ele age. Porque Ele é Amor, tu, se hás-de te tornar uno com Ele, deves-te encher também de um perfeito altruísmo e amor.
Na vida diária isto significa duas coisas; primeiro, que tu deves ter cuidado em não ferir nenhuma coisa viva; segundo, que deves estar sempre atento para qualquer oportunidade de ajudar.
Primeiro, não ferir. Existem três pecados que fazem mais mal do que tudo no mundo - maledicência, crueldade e superstição - porque estes três são pecados contra o amor. Contra estes três. o homem que enche o seu coração com o amor de Deus deve vigiar incessantemente.
Vê o que faz a maledicência: ela começa com um mau pensamento, e isto por si mesmo é um crime. Pois em todos e em tudo há o bem; em todos e em tudo há o mal. Podemos reforçar qualquer um deles pensando nele, e deste modo podemos ajudar ou estorvar a evolução; podemos fazer a vontade do Logos ou podemos nos opor a Ele. Se pensas no mal alheio, estás fazendo três coisas más ao mesmo tempo:
a. Preenches tua vizinhança com maus pensamentos em vez de bons, e assim estás aumentando a tristeza do mundo.
b. Se naquele homem existe o mal que imaginas, estás a fortalecê-lo e alimentá-lo; assim estás tornando aquele teu irmão pior em vez de melhor. Mas geralmente o mal não está ali, e só o imaginaste; então o teu mau pensamento tenta o teu irmão a fazer o mal, pois se ele ainda não é perfeito podes transformá-lo naquilo em que pensaste.
c. Enches tua própria mente com maus pensamentos em vez de bons; e assim impedes teu próprio crescimento, e te tornas, para aqueles que podem ver, um objecto feio e penoso, em vez de um formoso e adorável.
Não contente em ter feito todo este mal para si mesmo e para sua vítima, o maledicente tenta com toda sua força fazer de outros homens cúmplices de seu crime. Ele conta avidamente sua fábula perversa aos outros, esperando que o acreditem; e eles se juntarão a ele derramando maus pensamentos sobre o pobre sofredor. E isso continua dia após dia, e é feito não por um só homem, mas por milhares.
Começas a ver quão vil, quão terrível é este pecado? Deves evitá-lo completamente. Nunca fales mal de ninguém; recusa-te a ouvir quando alguém falar mal de outrem, porém diz, gentilmente: "Talvez não seja verdade, e mesmo se for, é mais amável não falar disso".
Sobre a crueldade. Esta pode ser de dois tipos, intencional e não intencional. A crueldade intencional é quando propositadamente infligimos dor a um outro ser vivo; e este é o maior de todos os pecados, é obra de demónios e não de homens. Dirias que nenhum homem deveria fazer tal coisa; mas os homens tem-no feito com frequência, e diariamente. Os inquisidores fizeram-no; muitas pessoas religiosas fizeram-no em nome de sua religião, e muitos agentes disciplinares nas escolas o fazem habitualmente. Todas estas pessoas tentam desculpar sua brutalidade dizendo que é o costume; mas um crime não deixa de ser crime porque muitos o cometem. O karma não leva em conta o costume, e o karma da crueldade é o mais terrível de todos. O destino da pessoa cruel deve recair também sobre todos os que saiem intencionalmente para matar as criaturas de Deus dizendo que é "desporto".
Coisas como estas não farás, eu sei; e pelo amor de Deus, quando se oferecer a oportunidade, falarás abertamente contra elas.
Mas há uma crueldade na fala para além dos actos; e um homem que diz uma palavra com a intenção de ferir outro é culpado deste crime. Isto, também, não farás; mas às vezes uma palavra descuidada faz tanto mal quanto uma outra maliciosa. Assim, deves estar em guarda contra a crueldade não intencional.
Muito sofrimento é causado apenas por negligência, esquecemo-nos de pensar como uma acção nossa afectará os outros. Mas o karma jamais esquece, e não leva em conta o facto de os homens esquecerem. Se desejas entrar no Caminho, deves pensar nas consequências do que fazes, ou serás culpado de crueldade irreflectida.
A superstição é outro mal poderoso, e já causou muita crueldade. Um homem que é escravo da supertição desdenha outros que são mais sábios, tenta forçá-los a fazer o que ele faz.
Os homens têm cometido muitos crimes em nome do Amor de Deus, movidos por este pesadelo da superstição; cuida bem que não reste em ti nenhum traço dela.
Deves evitar estes três grandes crimes, pois são fatais para todo progresso, porque pecam contra o amor. Mas não deves apenas te abster de fazer o mal; deves ser activo em fazer o bem. Deves encher-te com o intenso desejo de servir. Está sempre atento para fazer o bem à tua volta, não só aos homens, mas também aos animais e às plantas. Deves fazê-lo nas pequenas coisas todos os dias, para que possas formar um hábito, de modo que não percas a oportunidade rara quando a coisa maior se oferecer para ser feita. Pois se anseias ser um com Deus, não é para teu próprio bem; mas para que possas ser um canal através do qual o Seu amor possa fluir para chegar nos teus irmãos.
Aquele que percorre o Caminho não existe para si mesmo, mas para os outros; ele terá de esquecer-se de si mesmo, a fim de poder servi-los.
A sabedoria que te habilita ajudar, a vontade que dirige a sabedoria, o amor que inspira a vontade - estes são os Requisitos. Vontade, Sabedoria e Amor são os três aspectos do Logos; e tu, que desejas estar ao serviço de Deus, deves mostrar no mundo estes três aspectos.


("Aos pés do Mestre" - j. Krishnamurti)


Saudações


O Viajante