quinta-feira, 7 de maio de 2009

Aos pés do Mestre V


Requisitos para o Caminho



De todos os Requisitos, o mais importante é o Amor.
Se ele é suficientemente forte num homem, força-o a adquirir todo o resto, porque todo o resto sem ele jamais seria suficiente. Muitas vezes traduz-se num intenso desejo de libertação da roda do nascimento e da morte, é como um desejo pela união com Deus. Mas dizer assim soa a egoísmo, e só revela parte do significado. Não é tanto desejo, mas vontade, resolução, determinação. Para produzir este resultado, esta resolução deve encher toda sua natureza, de modo a não deixar espaço para nenhum outro sentimento. A vontade de ser uno com Deus, não é para poder escapar à fadiga ou ao sofrimento, mas para que em virtude de seu profundo amor por Ele possa agir com Ele e do modo que Ele age. Porque Ele é Amor, tu, se hás-de te tornar uno com Ele, deves-te encher também de um perfeito altruísmo e amor.
Na vida diária isto significa duas coisas; primeiro, que tu deves ter cuidado em não ferir nenhuma coisa viva; segundo, que deves estar sempre atento para qualquer oportunidade de ajudar.
Primeiro, não ferir. Existem três pecados que fazem mais mal do que tudo no mundo - maledicência, crueldade e superstição - porque estes três são pecados contra o amor. Contra estes três. o homem que enche o seu coração com o amor de Deus deve vigiar incessantemente.
Vê o que faz a maledicência: ela começa com um mau pensamento, e isto por si mesmo é um crime. Pois em todos e em tudo há o bem; em todos e em tudo há o mal. Podemos reforçar qualquer um deles pensando nele, e deste modo podemos ajudar ou estorvar a evolução; podemos fazer a vontade do Logos ou podemos nos opor a Ele. Se pensas no mal alheio, estás fazendo três coisas más ao mesmo tempo:
a. Preenches tua vizinhança com maus pensamentos em vez de bons, e assim estás aumentando a tristeza do mundo.
b. Se naquele homem existe o mal que imaginas, estás a fortalecê-lo e alimentá-lo; assim estás tornando aquele teu irmão pior em vez de melhor. Mas geralmente o mal não está ali, e só o imaginaste; então o teu mau pensamento tenta o teu irmão a fazer o mal, pois se ele ainda não é perfeito podes transformá-lo naquilo em que pensaste.
c. Enches tua própria mente com maus pensamentos em vez de bons; e assim impedes teu próprio crescimento, e te tornas, para aqueles que podem ver, um objecto feio e penoso, em vez de um formoso e adorável.
Não contente em ter feito todo este mal para si mesmo e para sua vítima, o maledicente tenta com toda sua força fazer de outros homens cúmplices de seu crime. Ele conta avidamente sua fábula perversa aos outros, esperando que o acreditem; e eles se juntarão a ele derramando maus pensamentos sobre o pobre sofredor. E isso continua dia após dia, e é feito não por um só homem, mas por milhares.
Começas a ver quão vil, quão terrível é este pecado? Deves evitá-lo completamente. Nunca fales mal de ninguém; recusa-te a ouvir quando alguém falar mal de outrem, porém diz, gentilmente: "Talvez não seja verdade, e mesmo se for, é mais amável não falar disso".
Sobre a crueldade. Esta pode ser de dois tipos, intencional e não intencional. A crueldade intencional é quando propositadamente infligimos dor a um outro ser vivo; e este é o maior de todos os pecados, é obra de demónios e não de homens. Dirias que nenhum homem deveria fazer tal coisa; mas os homens tem-no feito com frequência, e diariamente. Os inquisidores fizeram-no; muitas pessoas religiosas fizeram-no em nome de sua religião, e muitos agentes disciplinares nas escolas o fazem habitualmente. Todas estas pessoas tentam desculpar sua brutalidade dizendo que é o costume; mas um crime não deixa de ser crime porque muitos o cometem. O karma não leva em conta o costume, e o karma da crueldade é o mais terrível de todos. O destino da pessoa cruel deve recair também sobre todos os que saiem intencionalmente para matar as criaturas de Deus dizendo que é "desporto".
Coisas como estas não farás, eu sei; e pelo amor de Deus, quando se oferecer a oportunidade, falarás abertamente contra elas.
Mas há uma crueldade na fala para além dos actos; e um homem que diz uma palavra com a intenção de ferir outro é culpado deste crime. Isto, também, não farás; mas às vezes uma palavra descuidada faz tanto mal quanto uma outra maliciosa. Assim, deves estar em guarda contra a crueldade não intencional.
Muito sofrimento é causado apenas por negligência, esquecemo-nos de pensar como uma acção nossa afectará os outros. Mas o karma jamais esquece, e não leva em conta o facto de os homens esquecerem. Se desejas entrar no Caminho, deves pensar nas consequências do que fazes, ou serás culpado de crueldade irreflectida.
A superstição é outro mal poderoso, e já causou muita crueldade. Um homem que é escravo da supertição desdenha outros que são mais sábios, tenta forçá-los a fazer o que ele faz.
Os homens têm cometido muitos crimes em nome do Amor de Deus, movidos por este pesadelo da superstição; cuida bem que não reste em ti nenhum traço dela.
Deves evitar estes três grandes crimes, pois são fatais para todo progresso, porque pecam contra o amor. Mas não deves apenas te abster de fazer o mal; deves ser activo em fazer o bem. Deves encher-te com o intenso desejo de servir. Está sempre atento para fazer o bem à tua volta, não só aos homens, mas também aos animais e às plantas. Deves fazê-lo nas pequenas coisas todos os dias, para que possas formar um hábito, de modo que não percas a oportunidade rara quando a coisa maior se oferecer para ser feita. Pois se anseias ser um com Deus, não é para teu próprio bem; mas para que possas ser um canal através do qual o Seu amor possa fluir para chegar nos teus irmãos.
Aquele que percorre o Caminho não existe para si mesmo, mas para os outros; ele terá de esquecer-se de si mesmo, a fim de poder servi-los.
A sabedoria que te habilita ajudar, a vontade que dirige a sabedoria, o amor que inspira a vontade - estes são os Requisitos. Vontade, Sabedoria e Amor são os três aspectos do Logos; e tu, que desejas estar ao serviço de Deus, deves mostrar no mundo estes três aspectos.


("Aos pés do Mestre" - j. Krishnamurti)


Saudações


O Viajante

4 comentários:

Salamandra disse...

Meu amigo

que a vontade,sabedoria, e o amor habitem sempre no meu coração porque eu assim o desejo.

Obrigada por mais esta lição,o meu dia começou melhor
beijinho e aquele abraço
salamandra

Viajante disse...

Olá Salamandra

Este será o último texto de Krishnamurti que publicarei por agora. Foi o mais longo e tambem o mais dificil de se ler porque nos identificamos com ele em muitas coisas e muitas delas pouco positivas.
Ao reler de novo estes textos verifico o pouco que ainda aprendi na minha relação energética com o mundo que me rodeia.
Peço perdão todos a quem fiz mal


Um abraço de alma branco como a neve

O Viajante

The Seeker disse...

Mor, penso que este texto é muito perturbador.
Como tu dizes, aqui nos comentários, ao lê-lo parece que nos confrontamos perante os nossos erros e situações menos boas que embora ás vezes sem grande consciência, podemos ter cometido contra os outros e até nós próprios.
É uma grande chamada de atenção, e não digo isto de forma negativa, mas sim como que lembrar aos que devem saber melhor, que não se esqueçam do que fazer, para além de informar os que estão menos esclarecidos.
Por um lado sinto uma certa "pacificação" quando leio "deves ter cuidado em não ferir nenhuma coisa viva" ao pensar que o facto de ser vegetariana me ajuda neste sentido, mas não me tira a responsabilidade de outros ferimentos que posso ter causado e certamente ainda causarei, porque ainda me falta muito para percorrer no Caminho e sendo humana....
Obrigado por teres publicado estas palavras.

I love you!!!

xoxo

Viajante disse...

Olá Linda Seeker

De facto este texto de Krishnamurti é perturbador porque nos lembra uma coisa que fazemos quase todos os dias, Julgar e rotular os outros.
Contudo quando o Mestre fala na crueldade da palavra eu acho que ele não considerou a utilização da palavra para fazermos mal a nós próprios.

Um beijo grande

O Viajante