quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Felicidade

A felicidade transformou-se no santo graal dos nossos tempos. Toda a gente a procura, alguns conseguem encontrá-la, outros já a tiveram mas perderam-na e outros nunca a encontraram.
Felicidade é no fundo uma situação de bem-estar regulada por múltiplas variáveis, difícil de explicar mas fácil de sentir.
A felicidade não é permanente nem constante não basta encontrá-la e “saboreá-la”, temos, qual planta, de a colocar no solo fértil da amizade, e regá-la com amor, carinho e muita compreensão.
Para uns a felicidade é ter, para outros é dar e para alguns é tirar.
Mas a felicidade é algo que está dentro de nós portanto não vale a pena andarmos à sua procura pelo mundo, porque não é nas coisas que a vamos encontrar, não é nos outros que a vamos descobrir.
Felicidade é uma aura verde-esmeralda que nos cerca e transforma em “ouro” tudo o que tocamos, inclusive as almas dos outros.
Mas para que alguém seja feliz não basta que a sua alma seja tocada é necessário que ele o sinta através do coração e da mente na pureza dos sentimentos.
Respeito as diferentes percepções de realidade mas é com tristeza que vejo muita gente desesperada à procura da felicidade. A esses eu aconselho, purifiquem os sentimentos, afastem todos os sentimentos negativos quer em relação a si, quer em relação aos outros, perdoem a quem vos fez sofrer e tenham paciência para fazer a “travessia do deserto”. Este crescimento espiritual vai fazer a vossa felicidade despontar como uma flor linda e aí eu garanto, vocês vão sentir os toques das almas gémeas.
Saudações
O Viajante

2 comentários:

The Seeker disse...

"Felicidade é uma aura verde-esmeralda que nos cerca e transforma em “ouro” tudo o que tocamos, inclusive as almas dos outros."
Adoro esta frase!

Obrigado por tocares a "minha alma"

I LOVE YOU!!!

Carla O. disse...

Acredito cada vez mais que a felicidade não é mais do que um conjunto de pequenos momentos, situações, sentimentos. Como dizes, não é constante - vai acontecendo.
E realmente há que ter pureza e abertura de espírito para a perceber.
Muitas vezes damos conta de que fomos felizes, no passado, neste ou naquele momento e que na altura, nem o percebemos... É triste, não é?
Há que saber apreciar as pequenas coisas boas que a vida nos oferece, dar graças por elas, apreciá-las... Tocar as almas e deixarmo-nos tocar por elas.
Tu amigo, tocaste a minha. Obrigada :)